Cabo de aço

As necessidades práticas da sociedade foram ao longo do tempo estimulando inovações tecnológicas de vária ordem. Os primeiros processos rigorosos de produção de ligas de aço remontam ao tempo da civilização egípcia, mas tanto os processos de produção e respectivas matérias-primas, como as posteriores aplicações, eram bem diferentes da nossa realidade. O cabo de aço, tal como o conhecemos hoje em dia, foi uma das muitas invenções tecnológicas dos alemães e no tempo das grandes guerras mundiais a sua produção cresceu imenso. Por exemplo,  foram usados para cima de 28 milhões de metros de cabos de aço para prender no fundo do mar minas e bombas aquáticas.

Uma estrutura constituída por fios de arame enrolados em hélice, como são os cabos de aço, proporciona desde logo grande flexibilidade e várias outras funcionalidades possíveis que tornam esse material tão procurado e cada vez mais desenvolvido, consoante as nossas necessidades. No entanto, é ao procurar as melhores soluções para elevação de cargas, seja em elevadores, ou através de guindastes ou gruas, que mais se recorre ao cabo de aço, sempre procurando melhorar o seu desempenho e consequentemente aumentando a nossa satisfação. Quando foi inventado, o cabo de aço era produzido a partir de ferro forjado, mas hoje é mais frequente a reutilização, ou seja, o uso de aço, proveniente das sucatas. Nesse caso, as substâncias que se aliam ao ferro para formar a liga metálica, o aço, já se apresentam combinadas e portanto, em vez de um estudo teórico sobre as matérias-primas, importa analisar a mistura já existente e escolher a melhor maneira de trabalhar esse material, de modo a produzir os cabos de aço pretendidos: com maior ou menor flexibilidade, mais ou menos resistentes, mais ou menos duros. Seja como for, procurando a melhor maneira de atingir os  resultados e, naturalmente, rentabilizar os recursos.

Para saber mais, visite: cabo de aço.

Advertisements
Posted in Uncategorized | Leave a comment